Já faz algum tempo que não existe mais bateria viciada. Mais precisamente, desde que elas deixaram de ser fabricadas por níquel, para receberem na sua composição o lítio. Porém, ainda assim ela pode diminuir a sua performance depois de certo tempo de uso. Para entender mais sobre o assunto, é só continuar a leitura!

O que é bateria viciada?

Antigamente, as baterias eram fabricadas com níquel cádmio (NiCd) e, posteriormente, com hidreto metálico (NiMH). Estes, causavam o “efeito memória” e, ainda, eram altamente prejudiciais ao meio ambiente. Na época, era necessário esperar o aparelho consumir 100% de carga para depois colocá-lo para carregar, a fim de evitar esse efeito que fazia o desempenho da bateria cair de forma drástica, ocasionando o desligamento repentino do aparelho.

Hoje, com as baterias sendo fabricadas com lítio, o material não fica “viciado”. Porém, isso não significa que elas não possam perder autonomia. As baterias para notebook, bem como as de celulares e outros eletrônicos, possuem capacidade de sofrer entre 300 e 500 ciclos, onde cada um representa uma recarga e uma descarga completa. Sendo assim, a cada ciclo uma quantidade de lítio passa a ser inutilizada, fazendo com que o tempo de duração da bateria se torne menor. Enquanto o lítio está sendo esgotado, naturalmente a bateria irá sofrer desgaste, diminuindo gradativamente e de forma sutil, a autonomia do notebook longe das tomadas.

Leia também
Bateria de notebook: veja tudo o que você precisa saber
Bateria estufada: por que isso acontece e o que fazer?

Como saber se a bateria está viciada?

Para comprovar que a sua bateria está viciada, existem alguns testes que você pode fazer. São eles:

1) Verifique o carregador
Se a sua fonte para notebook não for a original ou, ainda, se o carregador que você adquiriu for de baixa qualidade, ele pode ser a causa da baixa duração da bateria. Para se certificar que o problema não está na peça, faça o teste com outros tipos de cabo e observe o tempo de autonomia que o seu aparelho terá.

2) Troque o pino conector de carga
Por vezes, o pino conector de carga fica com mal contato, o que impede o perfeito carregamento do notebook. Boa parte das vezes, só é possível constatar se o problema é ele consultando um atendimento especializado.

3) Calibre a bateria

Quando você calibra a bateria, todos os polímeros de lítio fazem uma “ligação” entre si, tornando possível aproveitar toda a capacidade de autonomia da bateria. Ela deve ser feita toda vez que você começa a utilizar uma bateria nova (seja a original do notebook ou uma para substituição dessa) ou quando a mesma passa a perder desempenho. O procedimento é simples, basta você carregar e descarregar completamente a bateria por seis vezes consecutivas, conforme explicamos no vídeo:

Tem como recuperar bateria viciada?

Se nenhum dos procedimentos indicados acima solucionarem o seu problema, é sinal que você deve substituir a sua bateria para notebook por uma nova. Embora existam tutoriais sobre como recuperar bateria viciada, não é indicado que eles seguidos. Isso porque não é garantido que eles irão funcionar e você pode expor a sua peça à um dano irreversível, além de correr riscos físicos ao manuseá-la.

Por isso, a melhor forma de ter novamente a liberdade de usar o seu notebook em qualquer lugar é comprar uma bateria nova. No entanto, é preciso ter cuidado na hora da escolha, pois um equipamento de má qualidade ou que não possui as mesmas especificações da original pode danificar o seu computador portátil.

Como vimos, embora não haja mais incidência de bateria viciada, o desgaste que ela sofre com o tempo persistiu, mas com características diferentes. Os hábitos de uso afetam isso diretamente, devido às reações constantes dos seus elementos químicos, os quais determinam a sua vida útil.  Dado isso, em algum momento você terá que substituir a bateria do seu notebook. Para tal, escolha uma loja confiável, que ofereça um longo tempo de garantia do produto e que esteja disponível para te orientar.

O que achou do conteúdo sobre bateria viciada? Ficou com alguma dúvida? Conta pra gente nos comentários!